The Voice 2013

Quem venceu e quem deveria ter vencido na AUS, UK e USA.

, por Thiago Arzakom

The Voice 2013

Quem venceu e quem deveria ter vencido na AUS, UK e USA.

, por Thiago Arzakom

A temporada dos principais reality shows musicais já tem seus vencedores. No American Idol tivemos uma superioridade feminina e, justiça seja feita, a coroação de Candice Glover. As franquias inglesa e americana do The X Factor ainda estão sendo gravadas. Enquanto isso, o The Voice saiu na frente e já nos presenteou com três vencedores nas principais versões do programa: australiana, inglesa e americana. Como sempre, muitas surpresas e injustiças no voto popular. Confira quem venceu e quem deveria ter vencido em casa uma das versões do The Voice.

header_harrisoncraig

THE VOICE AUSTRÁLIA
Venceu: Harrison Craig – #TeamSeal
Deveria: Celia Pavey – #TeamDelta
Meu voto: Kiyomi Vella – #TeamJoel

Esse fofinho, certinho, engomadinho é o Harrison Craig, um garoto de 18 anos com voz de cantor de ópera. Esse tipo de artista, que surpreende ao cantar, sempre é favorito em qualquer competição (Britain’s Got Talent que o diga). No The Voice AUS não foi diferente, o que, de alguma maneira, me deixa frustrado. Ótimos candidatos foram dispensados para dar espaço à mesmice. A diva soul Miss Murphy, a folk fofa Celia Pavey, a aussie Björk Kiyomi Vella (minha preferida) ou até mesmo o roqueiro magia Michael Paynter poderiam ter ganho o programa. Mas, não, as vovós não aceitariam tanta autenticidade assim. O resultado foi, pela segunda vez, um candidato do time do cantor Seal vencendo. Recalque à parte, Harrison é talentoso. É inegável que sua voz e carisma tenham jogado a seu favor. Apesar de ter se destacado no início, se manteve um pouco apagado durante o programa e, devido aos erros dos outros técnicos, acabou se saindo bem na reta final, justamente por não ousar e fazer o café-com-leite. O single de estreia dele é “Unconditional“, música do Ne-Yo, que já é #01 em vários charts, iTunes, ARIA e por aí vai.

header_andreabegley

THE VOICE UK
Venceu: Andrea Begley – #TeamDanny
Deveria: Leah McFall – #TeamWill
Meu Voto: Abi Sampa – #TeamDanny

Esse will.i.am é um sortudo. Ficou com os melhores candidatos dessa temporada. Infelizmente, ou felizmente, somente um candidato de cada time chega na final. Will perdeu Cleo Higgins, Leanne Jarvis e Jordan Lee Davies, além de ter proporcionado algumas das batalhas mais diferentes, com excessos e excentricidades. Com tanta gente boa no time, ele cometeu algumas injustiças, como quando eliminou Liam Tamne. Falando em injustiça, duas delas foram com o #TeamDanny. Minha indian girl preferida, Abi Sampa, não recebeu o tratamento que merecia no programa, além de Conor Scott e Smith & Jones, e foram eliminados precocemente da competição. A segunda, e não tão ruim assim pra ele, foi a vitória de Andrea Begley. A mulher com problemas visuais ganhou a ~simpatia~ do público inglês e acabou batendo a grande favorita da temporada, Leah McFall. Leah seguiu ilesa, arrasando a cada apresentação. Colocou sua versão de “I Will Survive” em #8 no chart mais concorrido do UK. Dona de uma voz incrível, controle absoluto sobre graves, agudos, falsetes, vibratos, melismas e todo o tipo de som que se possa emitir com a boca, Leah ainda abusa e ousa no figurino e penteado, transformando suas versões musicais em verdadeiras experiências artísticas. Pois é, tô falando mais da Leah do que da Andrea. É porque a vencedora não tem muito o que mostrar. Uma voz suave, limpa e angelical, sem nenhum outro atrativo. Infelizmente o UK repetiu o flop na decisão como em 2012, quando escolheu uma WHO? como vencedora. Decepção.

header_daniellebradbery

THE VOICE ESTADOS UNIDOS
Venceu: Danielle Bradbery – #TeamBlake
Deveria: Judith Hill – #TeamAdam
Meu voto: Sasha Allen – #TeamShakira

O sertanejo está para o Brasil assim como o country está para os Estados Unidos. Se você me achou revoltando até aqui, agora terá motivo de sobra. Nada contra a fofa e, obviamente, talentosa Danielle, mas tudo contra as eliminações precoces oriundas das escolhas cafonas do público norte-americano. A cantora mais original da temporada, Judith Hill, foi eliminada precocemente, nos deixando versões lindas, ousadas e autênticas de “What a Girl Wants“, “That Power” e “The Way You Make Me Feel“. Foi uma temporada cheia de excelentes cantores, principalmente no #TeamAdam, como Sarah Simmons e Amber Carrington, mas foi do tímido #TeamShakira que saiu minha preferida, Sasha Allen. No estilo negra diva do pop, Sasha tem um vozeirão impecável, uma presença de palco ótima e um visual poderoso. Nenhuma dessas que eu citei foram pra final. O top 3 foi da dupla country The Swon Brothers, da cantora pop rock Michelle Chamuel e da sertanejinha gringa Danielle Bradbery. Dani completou 17 anos no dia da final e não poderia receber melhor presente. Linda, afinada e com um futuro musical mais do que certo, dentro do universo country ela era a melhor. Porém, a questão está exatamente aí: porque sempre o country quem manda nos EUA? Ano passado o Blake teve que sertanejar sua candidata, que era super pop, pra poder vencer. Esse ano, formou um time só de candidatos country, o que o levou longe na competição, além de 2 irem para a final. Será que os americanos serão sempre tão ligados à música do interior, a ponto de perderem candidatos talentosíssimos e de outros estilos? Decepção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *